O drink lindo e delícia do Praga Beer Museum

Agora vamos falar sobre Praga !!! É tanta coisa que eu gostaria de contar sobre minha viagem pra lá que decidi fazer posts separados por assuntos, digamos assim. Então vamos começar com as baladas de lá ! Uhuuu !!! Rsrs…

Nossa, como eu me diverti nessa vigem, viu ?! Eu e meu namo, muito guerreiros que somos, fomos praticamente à um bar ou balada por dia durante a semana que ficamos em Praga !

No primeiro dia, enquanto ainda estávamos fazendo o reconhecimento do terreno (rs), pedimos a indicação de um lugar legal para a garota da recepção do hotel, que indicou um lugar que não me lembro o nome, mas vou procurar e coloco aqui caso encontre ! Rsrs. Ele ficava em uma avenida que me pareceu muito com a rua Augusta aqui em São Paulo, com baladas e “bordéis” juntos. Vários caras ficam na rua caçando grupos de homens que eles percebem que estão “sem companhia”. À princípio fiquei meio assustada com esses caras parados no meio da calçada olhando para todos (já falei que sou paulistana desconfiada, né ? e os caras também eram meio mal encarados ! rs), mas depois percebi que eles estavam lá para atrair clientes para os bordéis mesmo, não para me assaltar kkkk.

Mas depois fiquei mais calma, porque comecei a reparar nas pessoas andando tranquilamente pelas calçadas. Tinham jovens indo para balada, famílias de turístas, e os grupos de garotos claro, em busca de “diversão”. Sempre fico tranquila quando vejo que as pessoas estão andando sem medo por um lugar, acho que porque estou acostumada a andar rápido de noite, olhando para trás, segurando a bolsa firme… então sempre acho que é um bom sinal quando as pessoas estão calmas e andando de noite no maior relax.

Foi meio difícil achar essa balada porque ela é uma portinha escondida dentro de um prédio (até achei que fosse um inferninho quando chegamos na porta, com a escada descendo e os segurnaças na porta ! hahaha). A balada estava bem cheia, mas quando o segurança falou que a gente tinha que deixar os casacos e bolsas na chapelaria eu preferi ir pra outro lugar. É que quando eu saí eu tinha em mente um bar / pub, não uma balada, então eu já não estava arrumada para balada, se tirasse o casaco e a bolsa ia ficar parecendo uma mundrunga no meio das garotas super produzidas que estavam lá, ia ficar me sentindo mal !! Aí decidimos ir para outro lugar… Tá frescura de mulher, mas acho constrangedor quando não estou de acordo com o ambiente (ou arrumada demais pra um lugar que não comporta o look ou vice versa ! rsrs). Obrigada à garota da recepção que não me deu esse toque junto com a indicação do lugar ! 😉

Saindo de lá, na volta para o hotel, passamos em frente à um pub chamado La Máfia e decidimos entrar. A decoração é um tiquinho cafona, toda trabalhada nessa temática de Máfia (kkkkk), mas é um ambiente agradável e tranquilo para sentar e beber alguma coisa. E se não me engano era lá que o drink tinha que ser pago na hora em que está sendo pedido, mesmo que a pessoa vá ficar na mesa. Estávamos lá conversando, só algumas mesas ocupadas, quando de repente ouvimos uns gritos de “UHUUUU !!!” vindos da pista, que ficava no andar de baixo. Logo pensamos: “vamos lá dar uma olhada que o negócio tá legal lá !!!”. Aí descemos e vimos que só tinha meia dúzia de amigos e um deles, suuuper empolgado, tava em cima de uma mesa (que não vi direito se era a mesa do DJ) rodando a camisa e gritando “UHUUU” como se não houvesse amanhã na pista vazia. Hãn, amigo, tudo bem aí com você ? Nossa, foi muito engraçado, um beijo para ele que garantiu a diversão da minha noite !!! hahahahaa

Danilo e o “demonstrador” de cervejas do Prague Beer Museum

No segundo dia fomos ao Prague Beer Museum, uma indicação que encontramos no Foursquare (APP suuuper útil para quando se está viajando !!!). Vimos que era bem pertinho do hotel e estava muito bem recomendado aí decidimos ir lá conferir. Nossa, adorei lá !!! Um ambiente super gostoso, drinks ótimos e para os que gostam de cerveja, um milhão e meio de tipos de cervejas. Eu pedi uns 3 ou 4 drinks, todos lindos, deliciosos e com precinhos ótimos. O Danilo pediu um “demonstrador” de cervejas, que era um conjunto com 5 copos médios e você pode escolher entre todas as cervejas deles quais sabores vai querer provar. Ele também pediu uma cerveja em copo normal (o normal deles é um copo enorme, viu ?! rsrs) e ambos tinham também preços ótimos, melhores do que os preços dos meus drinks aliás, porque em todos os lugares de Praga a cerveja é quase mais barata do que água ! Fora isso pedimos uma linguiça para comer que estava di-vi-na e vinha com aquela mostarda igualmente di-vi-na que tem em todos os lugares de Praga.

Tipos de cerveja é o que não falta no Prague Beer Museum !

Sobre o ambiente em si, é bem do tipo que gosto, tem de tudo: tem gente produzida, tem gente medianamente arrumada (era o meu caso !! kkk) e tem pessoas super despojadas. Gente simpática em um ambiente com uma iluminação super agradável para sentar, beber e conversar, isso além da boa música tocando (quando estávamos lá, tocava desde U2 até Metallica em sua versão mais light e coisas do tipo). Amei, por mim voltava mil vezes ! Rsrs..

No terceiro dia fomos ao Cloud 9, o bar que fica na cobertura do hotel Hilton (sim, somos pessoas ecléticas, gostamos de um tudo nessa vida, do luxo ao lixo !!! hahaha). O Hilton de Praga é uma coisa linda dentro ! Já ficamos hospedados uma vez no Hilton quando fomos para a Califórnia, mas o que ficamos não chega aos pés desse ! E preciso dizer que a vista lá do bar era incrível ??? Dica: se for lá, tente ficar em uma das mesas que ficam nas janelas, pra ficar a noite toda vendo aquela coisa linda que é aquela cidade !

Para ir ao bar não é preciso estar hospedado no hotel e lá os drinks eram mais carinhos do que nos lugares que fomos anteriormente, mas ainda sim nada absurdo, preço de balada normal aqui em São Paulo. Maaas, chegamos lá com a maior expectativa com relação aos drinks da casa, porque eu tinha lido que o barman de lá era o único de Praga formado pela Universidade da Absolut (nunca tinha ouvido falar dessa universidade, mas me impressionou quando li isso rs)… Que decepção ! Os drinks da casa eram muito ruins !!! kkkkk.

O interior e o túnel de luzes do Cloud9

E não é que sou chata, porque o Danilo também não gostou não !!! Mas sei lá, recomendo a quem for pedir e provar por si mesmo afinal, aonde li sobre esse bar estava falando tão bem que acho que vale fazer um melhor de 3 aí pra ter uma opinião final ! hahahaa. Lá também tinha algo como um degustador, aonde ao invés de pedir um drink grande, você podia pedir 3 drinks da casa se não me engano, que vinham em copos menores, para provar. Foi o que fizemos, não gostamos de nenhum ! =p

Mas fora isso o ambiente é lindo, a música é agradável, as pessoas bem arrumadas (mas não suuuper montadas, na média). Gostei !

O garçom também nos falou que lá, quando o tempo estava bom, eles abriam as portas de vidro do terraço e faziam tipo um happy hour externo chamado Summer Terrace & Grill, aonde as pessoas pagavam um valor fechado e podiam comer à vontade o buffet que era servido, mas pelo que entendemos as bebidas alcoólicas não estavam inclusas nesse valor. Não fomos porque não daria tempo, mas eu bem que achei legal a idéia !

Detalhe da decoração e da sinalização das diferentes pistas do Chapeau Rouge. 

Nossa próxima parada foi o Chapeau Rouge, a balada que ganhou a medalha de honra na minha opinião, a que mais gostei !! No primeiro piso era como um bar com música latina (hein ?! rsrs), e estava beeem cheio com pessoas na faixa dos 25 – 30 anos. Aí no piso de baixo tinha uma pista que tocava um eletrônico comercial, meio de rádio, sabe ? E a pista estava completamente vaziaaa nesse piso.

Aí, no terceiro piso sentido inferno, tinha uma pista que tocava umas músicas na linha Skrillex, uns dubsteps. Essa pista estava vazia quando chegamos (por volta das 11 hs), mas foi ficando cheia e até a hora em que fomos embora ela já tinha ficado lotada, com jovenzinhos na faixa dos seus 20 aninhos (rsrs). Aliás, o único lugar que não tinha enchido quando fomos embora foi a pista do eletrônico de rádio !

O bar da pista que mais gostei do Chapeau Rouge

Nossa, mas foi a pista de dubstep o ambiente que mais gostei da balada !! No bar experimentei uma bebida deliciosa chama Chupito, que era um shot de vodka, suco de limão e uma cereja (de verdade, não fake !!!) no fundo do copo. E o preço das bebidas aqui era muito bom, a cerveja de meio litro custava R$ 3,50 e o Chupito uns R$ 8,00 se não me engano. Desce 5 por favor ! hahaha

Também adorei a decoração do lugar, cheio de coisinhas legais por todos os cantos. O Danilo disse que no banheiro masculino, o mictório tinha TVs aonde ficavam passando filmes de mulheres de biquinis lavando carros, e era bem nessas TVs que tinha que se mirar para usar o mictório ! Rs..

E todos, em todos os ambientes da balada, naquele esquema que eu gosto muito: arrumados e despojados juntos e felizes ! rs..

Bar do primeiro andar e do andar inferior do Dejavù

No dia seguinte fomos à um bar chamado Dejavù. Não era nada incrííível, mas era legal. No primeiro piso era um pub, que estava cheio, e no piso de baixo era uma pista, que estava vazia. Aliás, achei isso muito curioso nas baladas de Praga: elas descem ao invés de subirem ! Todas tem andares subterrâneos, com aquelas paredes e chão de pedra, com cara de terem sido feitos para se abrigar das bombas durante a II Guerra. Achei os ambientes o máximo !!

O bar e a parede da escada de acesso à pista inferior no Dejavù. E eu bebendo Chupito de novo ! kkk

No último dia fomos ao Roxy, a balada que o Danilo mais amou em Praga (tudo graças à uma festa de Drum’n’Bass que estava rolando lá, ele ama esse estilo de música ! E eu odeio ! rsrs). O ambiente era ainda mais incrível do que nas outras baladas que fomos, porque ele foi feito aonde antigamente foi um cinema. Eu que adoro prédios históricos, amei ser recebida por aquelas escadarias, ver aquela arquitetura super legal, com seu “palco” no andar inferior e seus “balcões” superiores, além do espaço aonde fica a pista de dança secundária, que nem sei como descrever, mas me pareceu também como uma parte que devia ser escondida, secreta antigamente, pois era toda de pedras e tijolos, lindo o lugar !

Detalhe mais ou menos da balada: o público. Achei as pessoas meio bagunçadas demais ! Rsrs.. Eu curto balada com pessoas bem despojadas, mas lá tava demais, tipo camiseta largada, boné velho e tênis, sabe ? Tinham umas pessoas mais arrumadas, mas a maioria estava nesse naipe que descrevi. Fora que eram SÓ turistas, no sentido pejorativo do termo. Não tinha um público certo, tinham pessoas de todas as idades, de todos os estilos, tudo meio cara de nada a ver com nada. Enfim, não curti o pessoal de lá não ! Já o Danilo, como eu disse antes, adorou essa balada por causa da música !

Tinham várias outras baladas que eu gostaria de ter conhecido, mas não deu tempo ! Mas vou fazer um post com elas, para quem for mais sortudo que eu e for ficar mais tempo por lá ! 😉

Autor

Juliana Rosa é apaixonada por viagens, esportes, arte, música e criatividade em geral e conta aqui no blog um pouco das suas andanças.

5 Comments

  1. Como é o nome do bar em Praga que aparece no filme Curtindo a Liberdade? É aquele em que ela toma uma grande caneca de chopp.

    • Oi Carlos !

      Olha, eu não assisti esse filme, mas lá em quase todos os bares e baladas as canecas de cerveja são bem grandes !! Além de grandes, são super baratas também, uma caneca de meio litro de cerveja custava por volta de 150 coroas tchecas, ou uns R$ 1,50 se não me engano !!

      Abçsss !!!

  2. Pingback: Destaques da Semana 48 | RBBV – Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem

    • tripfeeling.com Responder

      Não fui… Li em vários lugares sobre essa balada, mas acabamos indo explorar a pé as baladas próximas mesmo. Mas foi muito leal tb, ir descobrindo balads das quais a gente não tinha ouvido falar, entrando e saindo das baladas a noite toda… Rsrs..

Deixe uma resposta