Eu queria visitar todas as atrações turísticas de Nova York, todos os bairros, todos os bares, todas as lojas…. Mas só tinha 9 dias disponíveis, como faz essa mágica então ?

Sou do tipo que gosta de conhecer os lugares que só os locais frequentam, mas também gosto de atrações turísticas. Isso é bom porque por um lado vai ser muito difícil um roteiro não me agradar, mas por outro lado, cria o problema de querer conhecer muita coisa e não ter tempo suficiente para tudo.

Tive que fazer escolhas para conseguir encaixar tudo nos dias em que eu estaria por lá, e vou colocar aqui os pontos que me fizeram escolher alguns desses locais para, quem sabe, te ajudar na sua escolha também! 😉

MOMA_New_York
Algumas das obras de Picasso no MOMA

Primeiro ponto a considerar: valor dos ingressos

Esse é um ponto importante a considerar, uma vez que a maioria dessas atrações cobram entrada. Isso não vai ser um problema se você estiver com um orçamento folgado, mas em tempos de dólar tão alto como estamos enfrentando, é legal você pensar bem em cada uma das atrações que considerou visitar, para ter certeza de que todas valem realmente a pena.

Um exemplo: eu e meus amigos pensamos em comprar o New York City Pass, um ticket que te dá o direito de visitar 6 atrações da cidade pelo valor de $114,00 (adultos). À princípio nos pareceu uma ótima opção, já que se você for contabilizar o valor de cada ingresso separadamente no final das contas eles saem mais baratos comprados assim, em um combo. Por outro lado pensamos: mas nós queremos ir exatamente nessas atrações ? Em todas elas ? A resposta foi “mais ou menos”.

estátua_da_liberdade_nova_york

Eu explico: claro que todas aquelas atrações são legais, mas com um tempo mais restrito como o que eu estava, com um orçamento que estava ok mas que não dava margem para “desperdícios”, eu só iria em todas aquelas atrações porque elas estavam lá nesse combo. Se eu tivesse que comprar os ingressos separadamente não iria em todas. Eu queria muito ver a cidade de cima, para isso eu poderia visitar o deck de observação do Rockfeller Center, o Top of The Rock, ou o Empire State. Não preciso subir nos dois, já que a vista vai ser praticamente “a mesma”. Então procurei algumas fotos sobre ambos os lugares e vi que o Top of The Rock com seus 3 andares de decks cercados por vidros ao invés de grades era o que eu queria.

Outro exemplo: os vários museus super bacanas que existem na cidade, como o Guggenheim, o Metropolitan, o MOMA, o Museu de História Natural (que serviu de cenário para o filme Uma Noite no Museu), etc. Isso sem contar as várias galerias de arte do Chelsea. É muita arte e história pra pouco tempo, né ? Eu teria que ficar correndo de museu em museu e não estava com a menor vontade de correr para nada, então escolhi somente visitar o MOMA, que tem um acervo espetacular com obras de artistas como Dalì, Van Gogh, Basquiat, Picasso, Klimt entre outros, e uma visita às galerias de arte do Chelsea, que tem entrada gratuita e também são super bacanas (escrevi um pouco sobre elas AQUI).

Enfim: acabamos comprando ingressos separadamente, somente para as atrações que decidimos ir e pronto. A economia no final nem foi o que contou mais, mas sim o fato de não irmos em uma atração só porque já estava no pacote mesmo, e usar esse tempo fazendo outra coisa pela cidade.

MOMA_Nova_York
Sempre me emociono quando vejo um Van Gogh, no MOMA não foi diferente… Rsrs…

Segundo ponto a considerar: o que aquela atração te oferece

Acredito que fazer essas considerações sobre as quais falei acima seja um ponto importante para te ajudar a definir quais atrações visitar.

Fora isso, também vale pensar em pontos como por exemplo quando decidi visitar a Estátua da Liberdade. Primeiro queria ir, depois não queria mais por causa da fila grande, depois meu amigo foi e quando voltou me deu vontade de ir aí fui no dia seguinte, tudo porque ele ficou me falando do passeio de barco até lá, da vista da cidade, que tinha a lojinha e a lanchonete da ilha e lugares para ficar sentado conversando com os amigos e vendo Manhattan no horizonte… Tipo não foi só a estátua, foi todo o contexto do passeio que ele me descreveu que me fez ter vontade de ir.

No final das contas voltei no outro dia e quase não tinha fila nenhuma, dei sorte ! =)

top_of_the_rock_nova_york_02
A vista da cidade no Top of The Rock

Terceiro ponto a considerar: não é porque é um ponto turístico que você tem a “obrigação” de conhecê-lo

Isso é muito importante e parece meio óbvio de ser dito, mas sério, se você não curte um roteiro cultural, não se sinta obrigado a ir à um museu só porque quem gosta de arte está te dizendo que ele é incrível. Ir só para bater cartão (ou uma selfie na frente de um quadro que você já tenha visto por acaso na internet) não vai ser um programa legal para você, ao invés disso busque algo que realmente goste. Se gosta de compras, vá conhecer as inúmeras lojas incríveis que existem por lá. Se gosta de shows você está no melhor dos mundos, vá assistir à algum espetáculo da Broadway! Se gosta de passeios ao ar livre, vá dar uma caminhada pelo Central Park ou pelo parque DUMBO que são lindos e você não paga nada para caminhar por eles. Enfim, atrações dos mais diferentes tipos é o que não faltam em uma cidade como Nova York, então busque em você o que te faz feliz, não faça um roteiro baseado no gosto pessoal de ninguém. 😉

Autor

Juliana Rosa é apaixonada por viagens, esportes, arte, música e criatividade em geral e conta aqui no blog um pouco das suas andanças.

Deixe uma resposta